Arquivo

Posts com a tag ‘Opinião’

Lamentando Mc Melody

21, abril, 2015 Ester Castro 4 comentários

mc melody

mcmelody

Mc Melody
Imagem: reprodução

 

Muitos estão falando sobre Mc Melody.
Os gringos estão começando a falar sobre ela dizendo que seus vídeos são do tipo assustadores.
Aí passei horas percorrendo a web vendo vídeos, lendo matérias e tudo que pudesse me fazer entender o que raios uma criança de 8 anos incompletos está fazendo travestida de gostosa.
O pai, Mc Belinho, está sofrendo ataques pelas redes sociais, sob a alegação de que estaria explorando e expondo a filha.
Mc Belinho por sua vez, se defende dizendo que, apesar de empresário, não explora a filha e que parte do dinheiro levantado é revertido para o futuro e a carreira da menina. Agora ela está podendo estudar em escola particular. Até aí tudo bem. Estamos carecas de acompanhar trajetórias de artistas que começaram ainda crianças, ganharam fama, dinheiro, ajudaram a família e estão muito bem em todos os sentidos.
Maaaaaas, a criança em questão canta e dança funk. Sabemos como são as danças de funk. A criança em questão usa maquiagem e blusinha de bojo pra parecer ter seios…. AOS 8 ANOS!!!!. A criança em questão, põe o dedinho na boca, rebola até o chão e faz quadradinho de quatro, enquanto o pai grita pra platéia “quem gostou da novinha, faz barulho!

Mc Belinho

MC Belinho e seu cordão de ouro cafona
Imagem: reprodução

Nem preciso dizer que esse tipo de comportamento está fomentando não só a revolta e a repulsa das pessoas, como também comentários de um tipo de público capaz de chamar uma criança de “delicinha” ou “monumento de mulher”. Conseguem mensurar onde isso pode acabar?
Mas esse pai acha normal o que a filha faz e também tais reações. Ela estaria encarnando uma personagem e que todas as meninas normalmente fazem isso.
A pequena Mc Melody arrebanha fãs, mas também desaprovação e se defende da rejeição alegando recalque. Chorei de pena. Diante de todos os sentimentos que essa menina suscita, inveja, certamente não é um deles.
Ela, não tendo culpa de viver num meio em que tudo isso lhe parece normal, como de fato não deixa de ser, pois o pai sempre viveu de funk, as comunidades respiram o funk, está crescendo numa realidade distorcida. Se ela canta mal e alguém critica, é recalque. Se faz pose sexy e alguém critica, é recalque. Ela precisa de ajuda.

Não creio que o comportamento e a atitude dessa criança, bem como o feedback negativo, devam ser tratados de maneira anódina. O problema é sério. Tão sério que tem gente batendo de frente e parece que vai rolar processo contra os pais da criança sob alegação de que estariam infringindo o Art. 218 do Código Penal  e Arts. 241-D e 241-E do Estatuto da Criança e do Adolescente, além de uma petição pública pedindo intervenção e investigação de tutela, correndo pela web.

Não importa que o pai diga que em casa a menina leva uma vida normal e que ninguém tem nada a ver com a vida deles. Pode até ser. Ainda assim essa criança linda está abreviando referências de infância em detrimento de uma vaidade, que não sabemos ser dela ou do pai.

Quiçá o que o futuro lhe reserva…

Categories: Comportamento, Opinião

Enfim joguei o novo Tomb Raider!!!

25, março, 2013 Ester Castro Fechado para comentários

Este artigo contém spoiler!!

 

tombraider1

Eu joguei praticamente todos os títulos da nova geração desta franquia, inclusive alguns da primeira geração cujos gráficos eram bem Minecraft feelings.
Bom, o que posso seguramente afirmar depois de ter zerado esse novo Tomb Raider é que esqueçam (no bom sentido tá) as Lara Crofts anteriores e seus respectivos jogos. Claro que merecem sim um lugar cativo em nossos corações, afinal Tomb Raider será sempre Tomb RaiderLara Croft será sempre outra Lara Croft. A gente simplesmente ama!!!

Mas o que eu quero dizer é que nesse reboot da saga, a Crystal Dynamics trouxe um novo formato tanto do jogo em si, como da protagonista. Apesar do enredo ser sempre o mesmo, exploração, mistérios, perigo e fuga, este novo Tomb Raider traz elementos que não existem nos títulos anteriores. Antes você conseguia as armas no decorrer do jogo e só precisava se preocupar em encontrar as balas.
Agora, você precisa “farmar” peças quebrando caixas que serão usadas para fazer upgrades destas armas. As peças e balas também “dropam” dos inimigos abatidos. Ah sim, agora temos também um arco, que acreditem, será a arma mais usada no jogo, embora possamos ter belos momentos com a escopeta, a metralhadora e até uma bazooka, esta só lá pelo final do jogo.
Lara também vai acumulando pontos que são utilizados pra aumentar seus skills. Você escolhe quais você julga ser mais importantes pra tornar Lara ainda mais habilidosa nas fugas ou mais implacável nos confrontos. Ela também acampa para recuperar a energia e fazer os melhoramentos e alguns acampamentos permitem que você se teleporte para outros acampamentos, podendo inclusive voltar no jogo se quiser explorar a área com mais calma e usar tools e armas que antes não podia usar.

Outro ponto que o gamer precisa ficar atento é com os quick time events mestres em te pegar de surpresa nos momentos mais cruciais. Me acostumei com eles em God of War, então eles não me incomodam.

Quanto ao cenário, jogabilidade e situações de confronto, me fez lembrar e muito o também apaixonante Uncharted. Os gráficos são de babar e a nova Lara Croftman, é belíssima!!
A voz, o corpo e o mockup são da atriz inglesa Camilla Luddington, mas ela merece um post à parte.

O que tem de diferente mesmo nesta nova protagonista é que ela tá bem mais gostosa humana, se suja e se  machuca de verdade. Ela toma tanta porrada que mais parece uma mistura de Rambo e Jack Bauer. A cada queda e deslizamento ela parece de fato estropiada, mancando e bem suja de lama e sangue. Se mostra extremamente durona fazendo seus próprios curativos. Com certeza é infinitamente mais emocionante comandar esta nova Lara.

Abaixo um gameplay feito pelo próprio Noah Hughes, diretor de criação desse jogo, que ilustra bem o que se passa com Lara:


Enfim, é um jogo eletrizante, cheio de ação e altamente viciante. Apenas um defeito, assim como Uncharted, achei curto. Ainda assim, recomendo com afinco! ;)

Categories: Game, Opinião, Tudo, Vídeo

Christopher Nolan fecha trilogia de Batman com chave de ouro!

31, julho, 2012 Ester Castro 2 comentários

The Dark Knight Rises

 

Christopher Nolan resgatou a dignidade do homem-morcego tão deteriorada em filmografias anteriores.
Tim Burton tentou por duas vezes e Joel Schumacher fracassou mais ainda. Todos tiveram um ar de escracho e nem de longe conseguiram um Batman que pudesse ser levado a sério. Sim, até mesmo a vida de um personagem de quadrinhos merece ser levado a sério quando decidem representá-lo no cinema. E Nolan provou que não estava de brincadeira com o primeiro e sombrio Batman Begins.

O Batman de Nolan tão bem representando por Christian Bale, fez a gente amar morcegos. Fez a gente andar no escuro sem ter medo de “chamar” a testa na quina do armário. Fez a gente se arrepiar e falar palavrões como um filho sem mãe. Foi perfeito do início ao fim, conseguindo nos envolver de forma avassaladora em meio a tramas e vilões peculiarmente revividos no jeito Nolan de ser. E não me canso de lembrar o meu preferido e melhor deles, o Coringa de Heath Ledger que a gente amou de forma insana, embora como vilão, merecesse nosso repúdio. Ledger apenas corroborou para que eu elegesse como meu preferido, The Dark Knight, o segundo filme da trilogia. Falei sobre aqui, aqui e aqui.

The Dark Knight Rises, último filme da série, seguiu como deveria seguir. Não se viu tanta ação como se viu nos dois primeiros filmes, mas foi o que poderíamos esperar de um Batman cansado e machucado por dentro e por fora. O melhor do filme não foi a voz gutural do vilão Bane, as curvas de Selina, diga-se de passagem a melhor mulher-gato já vista até então, e nem mesmo as pouquíssimas aparições, ainda assim de tirar o fôlego, de Batman em seus veículos turbinados.
O melhor foi o fim… de um começo que ganhou aplausos, inclusive os meus, assim que tela escureceu.

Nolan encerrou uma trilogia perfeita com chave de ouro e com a superioridade e o requinte de um trabalho bem feito. Conseguiu deixar o gostinho de que se quer mais, vai ler gibi!!!!

E o Lindemberg se deu bem…

17, fevereiro, 2012 Ester Castro 4 comentários
Julgamento de Lindemberg

Notem o meliante bem cevado e nutrido... (imagem: reprodução)

E então o teatro julgamento de Lindemberg enfim aconteceu. Sua pena pelos 12 crimes aos quais era acusado ficou estabelecida em 98 anos e 10 meses.

Alguns nomes do meio jurídico entenderam que foi exagero. Em vias normais sem os holofotes da mídia e da comoção pública, um caso parecido não alcançaria pena máxima em praticamente todos os crimes, até porque Lindemberg não tinha antecedentes criminais. Entre a mínima 12 e a máxima 30, ele teria pego 18.
Talvez tenha sido para assegurar que ele fique o máximo de tempo preso, já que alguns benefícios de redução de cárcere assegurados pela lei são calculados sobre as penas acumuladas e não pelo tempo máximo de prisão defendido no Código Penal. Como todos sabem, ninguém pode ficar mais do que 30 anos preso, de modo que essa pena de quase cem anos não passa de “enfeite de processo”.

A lei prevê a progressão da pena de um regime mais severo para um mais brando, no caso de fechado para o semiaberto, DESDE que o apenado primário por crime hediondo tenha cumprido 2/5 da pena e tenha tido bom comportamento. Na teoria, levando em conta também o cumprimento obrigatório de 1/6 da pena dos demais crimes, Lindemberg teria que cumprir pouco mais de 30 anos para ser agraciado com o benefício.

Também não podemos esquecer da detração da pena, que consiste em descontar os três anos de prisão que ele cumpriu enquanto aguardava o julgamento. Caiu pra 27.

Há ainda a remição da pena por trabalho e estudo. A cada três dias de trabalho, ele terá um dia a menos para cumprir. E se estudar, será um dia a menos para cada 12 horas de estudo.
Isso poderia reduzir cerca de mais 6 anos. Agora temos 21. Esse é o tempo de prisão a ser cumprido por Lindemberg até o momento. Ele também poderá conseguir livramento condicional (responder em liberdade) dentro de alguns anos se ele for um “bom moço”. Mas se me permitem um palpite, acho que se ele ficar 10 anos preso, será muito!

No entanto é óbvio que a defesa, assim como prometeu, tentará a anulação do julgamento ou se não, entrará com recursos até a sentença transitar em julgado (não couber mais apelação). Muita coisa pode acontecer.

O fato é que se esse episódio tivesse acontecido nos Estados Unidos por exemplo, teria sido usado um sniper no momento certo, a garota estaria viva e seria um elemento a menos sendo engordado sob teto e comida às custas do contribuinte.

Em outras palavras, não vi justiça nisso tudo. Vi um ensaio de uma legislação penal branda e ultrapassada em meio a bravata de uma condenação exorbitante que sequer poderá e será cumprida.

Mesmo assim #todoscomemora. Especialmente Lindemberg.

Categories: Opinião, Tudo

IMAX – não morra sem conhecer!

5, agosto, 2011 Ester Castro 2 comentários

Bom queridos, continuando o post anterior, outra dica dada por amigos foi NÃO DEIXAR de conhecer o IMAX!! Claro que seguimos a sugestão com afinco.

Mas antes, pra quem ainda bóia no assunto, uma breve noção através do tio Wiki:

Imagem Maximum (IMAX) é um formato de filme criado pela canadense IMAX Corporation que tem a capacidade de mostrar imagens muito maiores em tamanho e resolução do que os sistemas convencionais de exibição de filmes. (…) Para que seja criada a ilusão de profundidade tridimensional, o processo IMAX 3D utiliza duas lentes para representar os olhos direito e esquerdo. As duas lentes são separadas por uma distância inter-ocular de 64 mm, que é a distância média entre olhos humanos. A gravação é feita em dois rolos de filme para os olhos esquerdo e direito, que são projetados simultaneamente, criando para os espectadores a ilusão de ver uma imagem 3D em uma tela em 2D.

IMAX Comparação

Imagens: G1

Vejam que enquanto os filmes convencionais possuem um formato de 35mm, o formato do IMAX tem o dobro de tamanho, prometendo o que chamam de “experiência IMAX” onde você vê mais, ouve mais e sente mais.

Mas se você acha que isso é uma tecnologia recente, pasmem, o primeiro filme/curta feito com a câmera IMAX, foi em 1970!! E mais. O formato de 70 mm já existia na década de 50, mas devido ao alto custo das filmagens, uma vez que os filmes em 70mm rodam 48 frames por segundo contra os 24 frames dos filmes em 35mm, era preciso empregar o dobro de material para gravar um mesmo segmento.
E mesmo filmando em 35mm para depois fazer a conversão, havia um outro porém, os projetores que não estavam adaptados para projeções de 70mm, tornando todo o aparato totalmente inviável.

Foi aí que anos mais tarde, um grupo de visionários, Graeme Ferguson, Roman Kroitor, Nicholas Mulders e William C. Shaw, começou a desenvolver o sistema IMAX que foi apresentado pela primeira vez ao mundo no final da década de 60.

Bom, mas ainda tem a questão do peso da câmera IMAX que é em torno de 113 kg, dificultando ainda mais seu manuseio e fazendo com que isso aliado aos altos custos da tecnologia IMAX, não fosse usado na íntegra em longas hollywoodianos, mas sim em curtas e documentários.

Pelo que eu pude apurar, poucas grandes produções tiraram o escorpião do bolso para usar a câmera ainda que só um pouquinho. Há exemplos como Batman: The Dark Knight, que teve uma sequência de 28 minutos feitos com a câmera IMAX e parece que em The Dark Knight Rises, o tempo será ainda maior. É… Mr. Nolan chutando bundas rsrsrsrsrs
Ah,  Transformers 2 também teve algumas cenas gravadas com a câmera poderosa. Se alguém souber de mais algum filme nestes termos, cita aí! ;)

De resto, todos os filmes que são exibidos nas salas IMAX, salvo a infinidade de curtas e documentários que utilizaram a câmera IMAX na íntegra, foram originalmente gravados em formatos regulares e depois remasterizados para o formato IMAX, embora há quem diga que mesmo elevando absurdamente a qualidade de som e imagem, não é a mesma coisa das filmagens feitas diretamente em 70mm.
Essa remasterização só passou a ser feita a partir de 2002. São os chamados filmes IMAX DMR (Digital Media Remastering). Vale lembrar que algumas animações feitas diretamente na bitola de 70mm nem passam pelo processo de remasterização.

 

IMAX do Espaço Unibanco no Bourbon Shopping

IMAX Espaço Unibanco no Bourbon Shopping - Créditos imagem: Aline Arruda

Fato que eu não podia mesmo morrer sem antes conhecer e sentir essa tecnologia que chegou ao Brasil há apenas três anos. Garantimos os lugares na fileira H (bem no meio!) só porque o maridão ficou na espreita pra garantir os ingressos antecipados pela internet assim que as vendas abrissem.

Mas posso falar? Pena que na única sala de São Paulo das três (até o momento) existentes no Brasil (as outras duas estão no Rio de Janeiro e em Curitiba) o filme em cartaz era Harry Potter e as Relíquias do Morte – Parte 2. Foi meio que subutilizar o potencial do IMAX apesar da qualidade de som e imagem serem realmente embasbacantes, tipo coisa do outro mundo mesmo! Acontece que não é o tipo de filme carregado de efeitos e cenas ofegantes que eu gostaria de ter vivenciado.
Fico imaginando como teria sido ver Avatar, que eu vi no cinema de Uberlândia e já era fenomenal em uma sala 3D normal. Sim porque mesmo Avatar também ter sido remasterizado tal qual Harry Potter, não há menor dúvida sobre qual me faria vibrar e sair do chão.
Mas mesmo que Harry Potter tenha sido bem morno e o seu 3D ter sido modesto, pra não dizer sutil, ainda assim valeu TUDO! Não fui pra ver o filme e sim o IMAX hauhauhauhau

IMAX Hubble 3D

IMAX 3D - Imagem: reprodução

Pelo menos um dos trailers apresentandos no início foi Hubble 3D, um documentário feito para a Warner todo filmado com a câmera IMAX, que deu pra REALMENTE sentir todo o potencial de um cinema IMAX 3D. Foi INCRÍVEL! Saca qual foi minha cara de espanto!! :=)
Gente, é sério, me senti fazendo parte da tela e tudo parecia estar a um palmo do meu rosto!!! Coloquei o dedo no Hubble e alisei um astronauta hauahauahauahauahauahau

Pude enfim comprovar que em IMAX 3D, as imagens literalmente saltam da tela pra parar no seu colo!

Já pensou quando todos os filmes, pelo menos os blockbusters, forem feitos na íntegra com a câmera IMAX e pelo menos todas as capitais pudessem ter uma sala IMAX? Então vamos baratear isso aí? Seria meu sonho de consumo…

Até lá, todo aquele que ama cinema e jamais se contentaria com cópias piratas xexelentas, precisa se reservar na dignidade e no direito de viver a experiência IMAX pelo menos uma vez na vida. E esqueçam tudo que já viram num cinema em termos de qualidade. Vocês ainda não viram nada.

Fontes e links complementares:
Lista de filmes rodados na íntegra com a câmera IMAX
Lista de filmes digitalmente remasterizados para o IMAX
Dados técnicos do IMAX de São Paulo
Como funciona o IMAX
Bitolas e formatos de filmes

 

Categories: Cinema, Opinião, Tecnologia, Tudo