Melanie Slade – orgulho da classe ou estrategista?

18.01.10 - 11:18 AM Ester Castro






Melanie Slade e Theo Walcott
Melanie Slade e Theo Walcott

O que você faria se o seu namorado lhe desse de presente de aniversário uma Ferrari?

Sei que muitas mulheres, talvez a maioria, iriam surtar ou dariam a alma pra isso acontecer. Mas e quando uma mulher de fato ganha essa Ferrari, avaliada em quase meio milhão de reais, e simplesmente recusa o presente?

Foi o que fez, segundo o The Sun, a estudante de fisioterapia Melanie Slade ao receber a caranga de presente de seu namorado, o atacante do Arsenal, Theo Walcott.
Ela simplesmente esnobou a máquina dizendo que não se sentiria bem ir pra faculdade com ela enquanto muitos dos colegas dão duro pra juntar grana até mesmo pra comer. Além disso considera o carro “vulgar”.
Acho que ela quis dizer que ostentar é vulgar. Altamente epic fail e brega, inclusive.

E aí mulherada, a louraça está orgulhando a classe ou isso não passa de estratégia?
Afinal seria mole recusar uma Ferrari se ela no futuro poderia ter mansões, closets entupidos de grifes e quiçá um divórcio milionário uma vez que o namorado e futuro pretenso marido fatura algo em torno de quase 200 mil reais por semana. Dinheiro demais só pra dar bicuda em bola, né não??

Mas enfim, eu prefiro acreditar que de fato houve semancol da parte dela. Existem sim mulheres que ainda apelam para o bom senso e estão longe de ser fúteis. A garota se diz satisfeita com o Beetle branco que ganhou dele há três anos e não acreditou que ele pudesse ter gasto tanto dinheiro num carro alegando que isso foi totalmente desnecessário e supérfluo.

Sério. Fiquei fã. Ela fez o que as marias chuteiras brazucas não fariam nem em sete vidas.
Ou fariam? :mmm:
.
.
.
.
.
NOT!!

Em tempo, eu também ficaria mega satisfeita com um lindo fusca metido à besta.  :=)









Confira outras postagens no blog!

2leep.com


Os comentários são via Facebook, portanto precisa estar "logado" para comentar. Vale lembrar que o teor dos mesmos são de inteira responsabilidade do comentarista.

Comente!! Assim saberei o que você pensa! ;)




  1. LUNA
    28, janeiro, 2010 em 18:43 | #1

    Eu tbm recusaria.

    Eu sou claustrofóbica, preciso de um carro grande, espaçoso.

    Ahh, vermelho não combina com meu tom de pele.

    Com relação a tal Melanie Slade, é claro que ela ta fazendo tipinho.Isso é manha.

    Aposto que ela fez beicinho, cruzou os braços e disse:

    -Vc tá pensado que vai me comprar com presentinhos?

    -Eu sou moça de familia,  semi-virgem, meu caro!…

    -Eu não quero seu dinheiro, só o seu amor e vou te provar isso depois que estivermos casados morando felizes no nosso barraquinho de 30 quartos

    Snif!….

     

     

    • Luciana
      27, maio, 2010 em 18:40 | #2

      Fabiola "Como parar em um semáforo a bordo de uma BMW, Mercedes de meio milhão e se sentir a vontade com a criança que vem pedir esmola na janela fechada? É constrangedor."

      Pelo que entendi eles estao na inglaterra nao no brasil.

  2. 22, janeiro, 2010 em 10:16 | #3

    Ah na boa, eu acho que foi estratégia kkk

  3. Thiago
    20, janeiro, 2010 em 18:30 | #4

    eu até gostei da atitude dela em fazer isso uma vez que se preocupou com os seus colegas de faculade, mas convenhamos, se ela aceitasse também seria vista com outros olhos em sua propria faculdade, pra mim ela quiz provar pra todos não ser tão futil quanto todo mundo devia imaginar que ela era.

     

    agora quando a ostentação de uma ferrari quero que se situem pois estamos falando de Inglaterra um pais rico europeu, cara  por la muita gente anda com carros como ferrari BMW masherrate (este não sei se escrevi certo), mas enfim por lá a ostentação não seria tao grande como por exemplo em SP ou outra metropole brasileira e olha que eu ja vi alguma BMW por aqui.

     

    Mas pra terminar mesmo quero dizer que o que muda não é não comprar a ferrari e sim fazer algo por aqueles menos favorecidos, na minha opinião a grande evolução que temos tido em nosso pais nos ultimos anos se deve a todos os brasileiros pois somos nos os menos favorecidos que costumamos nos ajudar, cansei de ver uma pessoa aparentemente humilde ajudar outro em situação pouco pior.

    vou parar por aqui pois ja falei muito

    t+

  4. 19, janeiro, 2010 em 18:43 | #5

    Olá Ester e leitoras(es),

    Antes demais uma questão: porque é que aí dizem uma Ferrari e não um Ferrari ?

    Bem, eu gosto de coisas boas (todos nós gostamos, não é assim?), mas também não gosto de ostentar.

    Fico com o dinheiro no valor do Ferrari :-)

    Agora deixem-me mencionar dois automóveis daqueles que um fulano diz "até dava o dito mais três tostões para ter um destes" :-)

    Talbot Lago de 1938 e Buggati Type 57.

    Procurem as imagens na net e depois digam algo.

    Tenham uma boa semana,

    José

  5. 19, janeiro, 2010 em 12:16 | #6

    É o que pensei quando li! Um Beetle tava ótimo para mim. Ainda mais aqui no Brasil. Como parar em um semáforo a bordo de uma BMW, Mercedes de meio milhão e se sentir a vontade com a criança que vem pedir esmola na janela fechada? É constrangedor.

    Eu tive um professor na faculdade mega rico, dono de cartório, fazendas, universidade, um dos maiores pagadores de ICMS do Estado e sabe em que carro ele andava? Um gol 1.8, completo, claro! Ele poderia andar no carro mais caro do mundo, mas não, andava em um gol completo. Tinha conforto, mas sem ostentar.

    É muito difícil julgar uma pessoa que trabalhou e quis comprar algo que sempre desejou, por exemplo, o sonho de quase todos os homens, uma ferrari, mas também é difícil entender que uns gastem tanto com tão pouco, um carro, enquanto há tanta pobreza no mundo. Enfim, o bom senso é sempre a melhor saída.Acho que quem pode gastar deve fazê-lo com bom senso, em busca de conforto e até um pouquinho de vaidade, mas sem ostentar, sem agredir.

    • 19, janeiro, 2010 em 12:36 | #7

      Concordo! Também já conheci ricos que nasceram ricos mas que não ostentavam. E conheço pessoas que nem tem muito mas fazem questão de ostentar. É o que mais tem por aí.

      E como você disse, é possível sim viver bem e ter o que gosta quando pode, mas com parcimônia e bom senso.

  6. 18, janeiro, 2010 em 13:25 | #8

    A atitude da Melanie Slade, e sua atitude, ambas são apaixonantes.

Fechado para comentários.